Dia 21 de junho chega oficialmente o inverno, mas já podemos notar a queda de temperatura. Neste período, diversos locais organizam campanha de arrecadação de agasalhos, calças, cobertores e outras peças que possam diminuir o frio da população carente.

Listamos alguns lugares que é possível fazer doações. Confira a lista, faça aquela limpa no armário e ajude ao próximo 😉

Além de você recolher roupas para entregar nos postos de coleta, você pode contar com a ajuda do Exército da Salvação

O Exército da Salvação disponibiliza caixas para doações. Eles entregam caixas gratuitamente, em horário comercial, em data a ser marcada, com prazo definido pela pessoa que requisitou e sem custos.

Promova em seu condomínio, empresa, estabelecimentos comerciais e outros locais onde seja possível promover uma arrecadação de roupas.

Saiba mais

RIOSUL
Rua Lauro Muller, 116, Botafogo.

BARRA SHOPPING
Entrada C, próximo ao Concierge – Avenida das Américas, 4.666, Barra da Tijuca. Tel: 3089-1051.

NORTE SHOPPING
SAC do shopping (2º piso) – Avenida Dom Hélder Câmara, 5.474, Cachambi. Tel: 3315-4300.

RECREIO SHOPPING
Entrada do shopping (1º piso) –  Avenida das Américas, 19.019, Recreio dos Bandeirantes. Tel: 3206-3246.

VIA PARQUE
Espaço Cliente – Avenida Ayrton Senna, 3000, Barra da Tijuca. Tel: 2430-5100.

MADUREIRA SHOPPING
Estrada do Portela, 222, Madureira.

ILHA PLAZA
SAC (primeiro piso) – Avenida Maestro Paulo e Silva, 400, Ilha do Governador. Tel: 2468-8100.

CENTER SHOPPING
Praça de Alimentação, piso L2 – Avenida Geremário Dantas, 404, Jacarepaguá. Tel: 3312-5001.

BANGU SHOPPING
Próximo a entrada do shopping –  Rua Fonseca, 240, Bangu.  Tel: 2430-5130

PARKSHOPPING
SAC, piso L2. – Estrada do Monteiro, 1200, Campo Grande. Tel: 2414-7417.

WEST SHOPPING
SAC – Estrada do Mendanha, 555, Campo Grande.

VIA BRASIL
SAC – Rua Itapera, 500, Irajá. Tel: 3445-8850.

SÃO GONÇALO SHOPPING
2º piso, em frente ao banco Itaú. – Avenida São Gonçalo, 100, Boa Vista, São Gonçalo. Tel: 3513-7200.

CRUZ VERMELHA
Praça Cruz Vermelha, 10/12, Centro. Tel: 2224-1941/2508-9090.

METRÔ RIO
Estações Botafogo, Carioca, Saens Peña, Del Castilho e Pavuna.

INSTITUTO CCR
Via Lagos: Shopping Graal (km 23, Rio Bonito) e Base de Atendimento da Concessionária (km 40, Araruama – sentido Região dos Lagos)
Barcas: Estações Praça Quinze e Praça Arariboia.

DROGARIAS PACHECO
Todas as unidades

ACADEMIA PROQUALITY
Rua Maranhão 191, Méier. Tel: 3197-6776.

Crea-RJ
Rua Buenos Aires, 40,  Centro – Tel: 2179-2007

CARREFOUR
– Avenida Dom Hélder Câmara, 5474, Cachambi.
– Avenida Marechal Fontenele, 3555, Sulacap.
– Avenida das Américas, 5150, Barra da Tijuca.
– Estrada das Capoeiras, 355, Campo Grande.
– Travessa Oliveira Botelho, 349, São Gonçalo.
– Rua Doutor Alfredo Backer, 500, São Gonçalo.
– Rodovia Washington Luiz, 4735, Duque de Caxias.
– Avenida Brigadeiro Lima e Silva, 1363, Duque de Caxias.
– Rua SN 2, 280, Lote 5, 4, 3, Duque de Caxias.
– Rua Doutor Carvalhaes, 200, Belford Roxo.


A nova coleção traz, representado nas suas estampas, o que há de mais marcante no jeitinho carioca de ser. Dos podrões que você só encontra pelo Rio até o comportamento maroto de levar a vida.


Que o futebol é uma caixinha de surpresas, nós não temos dúvidas. Agora, no momento de uma comemoração, seja de um gol ou de um título, tudo é mais imprevisível ainda. Desde os polêmicos desabafos até o ato mais simples ato de fé. De alguns anos pra cá, diminuiu o número de camisetas “personalizadas” já que os juizões começaram a punir com o cartão amarelo. Enfim, a partir disso, separamos 5 situações de jogadores que, em suas camisas, representaram suas insatisfações, orgulhos, etc.

Romário, 1999.

Romário, além de gênio, sempre foi um cara crítico que não fez fazia vista grossa para as coisas que rodeavam a sua vida, seja dentro ou fora de campo. Em 1999, depois de marcar um gol pelo Flamengo contra o Vasco da Gama, levantou sua camisa e fez um apelo: “No war. Peace in the world.”.

Cafú, 2002.

Ao se tornar campeão do mundo de 2002, a seleção brasileira se preparava para levantar o troféu quando seu capitão, Cafú, apareceu acima de todos com a sua camisa escrita “100% Jardim Irene”, sua terra natal onde começou a jogar bola.

Kaká, 2005.

Que o Kaká é um cara com muita fé, todo mundo sabe. Em 2005, ao ser campeão da Champions com o Milan e sendo um dos principais nomes do time, Kaká ajoelhou no gramado, tirou a sua camisa e levantou os braços para agradecer a Deus. Resultado? “I Belong to Jesus” (Eu pertenço a Jesus).

 


Adriano, 2010.

Adriano nunca deixou de ser Imperador, independentemente, da sua fama fora dos gramados, das suas companhias ou da sua forma de curtir seu tempo livre. No início de 2010, Adriano vinha sendo criticado por tudo e por todos mesmo tendo sido campeão brasileiro no ano anterior. E ao marcar um gol contra o Vasco da Gama, em pleno Maracanã, o Imperador viu o cenário perfeito para desabafar: Que Deus Perdoe Essas Pessoas Ruins.

 


Mário Bolatelli, 2011/2012.

A trajetória profissional de Super Mario sempre foi acompanhada de críticas e elogios na mesma proporção. Na temporada 2011/2012, Super Mario, como sempre, vinha sendo perseguido pela imprensa. E ao fazer um gol com camisa do Manchester City contra seu arquirrival, Manchester United, Balotelli pergunta para o mundo: “Why always me?”


post-listacoe-30-12

 

A virada do ano está chegando e, com ela, começamos a nos preparar para o ritual padrão que é o reveillon. Muitas superstições e crenças cercam essa festa. Você sabe quais são as mais famosas?

Vestir branco

Ok, essa é a mais famosa. O branco sempre esteve ligado aos votos de paz, porém no Brasil, principalmente para os Umbandistas, esteve relacionado com sua fé religiosa. Apesar do branco ainda ser a cor “da moda” do ano novo, muitas pessoas usam também amarelo (votos de riqueza, prosperidade), verde (esperança, equilíbrio), rosa (sorte no amor) e vermelho (paixão).

Pular sete ondas

Outra tradição que também está ligada diretamente ao Umbanda. Pular sete ondas à meia-noite do dia primeiro é, originalmente, um gesto para homenagear Iemanjá. Atualmente, muitas pessoas praticam esse ritual como uma simpatia para trazer boas energias para o ano que está chegando.

Estourar o champanhe

Essa tradição não remete a nada espiritual. Porém, ao longo da história, tanto a bebida quanto a ato de estourá-la ao abrir se tornaram símbolo de festividade, tanto que se utiliza bastante em comemorações no mundo esportivo. Soltar rojões é perigoso, melhor estourar um champanhe, não é mesmo?

A ceia de Ano Novo

Isso mesmo! A comida que você come no dia da virada pode influenciar seus votos para o ano seguinte, segundo algumas crenças. Por exemplo: pôr ao menos uma colher lentilha no prato da ceia significa votos de fartura, comer carne de porco é bom para ter boa sorte, entretanto, deve-se evitar o consumo de aves, pois elas ciscam para trás, o que significa má sorte… Enfim, existe toda uma dieta especial para o seu próximo ano começar com o pé direito!

Oferendas ao mar

Mais uma simpatia que surgiu do Umbanda. Segundo a crença popular, ao colocar oferendas ao mar, você está afundando seus problemas e, ao mesmo tempo, está recebendo votos e energia renovadas na forma das ondas que chegam na praia.


A Promoção Natalina de 50% off na compra de três camisas de quaisquer modelos e tamanhos não é acumulativa com outras promoções do site. Para ser contemplado, basta selecionar os modelos* dos produtos e, no final, inserir o cupom hohoho para validar o desconto e o frete gratuito. Promoção válida até o dia 25/12.

*Caso a camisa Que Deus Perdoe As Pessoas Ruins seja uma das escolhidas, o envio do pedido será feito até o dia 30/12.


post-listacoe-09-12

 

Conheça os “Baixos” do Rio

Se você gosta de sair pelas noites cariocas, já deve ter ouvido falar nos “baixos”. “Vou ali no Baixo Leblon”, “Encontra a gente no Baixo Botafogo”, etc. Vamos conhecer o que são e onde ficam esses santuários da boemia carioca.

Baixo Botafogo
O final da Rua Voluntários da Pátria é cheia de bares com bebidas e comidas a preços acessíveis. O “point” fica a poucos metros da estação do metrô de Botafogo e tem bares emblemáticos e cheios de gente bonita e de todos os gostos.

Baixo Copacabana

Também conhecido somente como Bolívar (nome da rua que concentra a maior quantidade de bares e restaurantes), é a região mais agitada na noite de Copacabana. Aqui a variedade de gastronomia vai desde Bar do Adão a Bob’s, passando por pizzarias e, claro, muitos bares. Sem contar que o Baixo Copacabana fica a um quarteirão da Avenida Atlântica!

Baixo Gávea

Talvez tenha sido o primeiro a receber esse título de “baixo”. Fica na Praça Santos Dumont, em frente à entrada principal do Jockey Club. Point que reúne artistas, estudantes da PUC que vão pra lá depois das aulas, enfim, gente de todo tipo. O preço é um pouco mais elevado, mas tem muitos bares para se conhecer e procurar um preço mais bacana.

Baixo Leblon

Point tradicionalíssimo do Leblon desde os anos 1970. Fica próximo à Avenida Ataufo de Paivo e já contou com visitas ilustres de pessoas como Caetano Veloso e Millor Fernandes. De destaque, vale a pena conhecer a primeira Pizzaria Guanabara, fundada nos anos 1960. É o “baixo” favorito para se comemorar as vitórias e títulos dos times cariocas, durante os jogos, fica até difícil arrumar lugar!

Baixo Méier

Quem disse que todos os “baixos” ficam na Zona Sul?  Ele fica nas redondezas da rua Tenente Cerqueira Leite, do lado da estação do trem do Méier, e é um point consagrado da região. Conta com o tradicional Bar Reza Forte, símbolo dessa cultura boemia da Zona Norte.


Foi há cem anos, no dia 27 de novembro de 1916, que Ernesto Joaquim Maria dos Santos, mais conhecido como Donga, registrou na Biblioteca Nacional a partitura daquele que ficaria conhecido como o primeiro samba da história: Pelo telefone. No seu glorioso centenário, o gênero se tornou o grande símbolo da música brasileira.

No dia 2 de dezembro é comemorado o Dia Nacional do Samba e temos uma programação especial no Rio de Janeiro. Confere ai!

Pedra do Sal

Em meio à revitalizada região portuária do Rio de Janeiro, próximo da Praça Mauá e do Boulevard Olímpico temos um reduto histórico do Samba. A Pedra do Sal.

Local simbólico para a comunidade afro-brasileira que ocupou o Rio de Janeiro desde o século 17,   ao pé do Morro da Conceição, a Pedra do Sal recebe uma prestigiada roda de samba as sexta-feiras. A Pedra tem esse nome por conta de ter sido um atracadouro para o comércio de sal nos tempos coloniais. Muitos anos depois, o espaço é o porto seguro para um intenso trabalho de preservação do samba e sua ancestralidade.

Endereço: Largo João da Baiana s/nº, Saúde. Sex e seg, às 19h. Grátis.

Feira do Lavradio

No primeiro sábado do mês sempre rola a Feira do Lavradio (Feira do Rio Antigo). Em virtude das comemorações dos 100 anos do samba, a feira terá show de Adriana Dutra e o grupo Nega de Crioulo, a partir das 16h30.

Além do samba, centenas de opções de artigos de decoração, antiguidades, artesanatos e muita comida boa para a hora que bater a fome, incluindo alguns alimentos tradicionais pra quem curte uma boa roda de samba

Saiba mais

Trem do Samba

Sexta e Sábado vai rolar o Trem do Samba. A tradicional festa já ocorre há 20 anos, quando amantes do samba embarcam no trem na Central do Brasil e rumam para Oswaldo Cruz, berço do ritmo. A trilha sonora é própria. Dentro dos vagões, são tocadas obras autênticas de samba de raiz, partido alto, samba de terreiro, samba de roda e samba-enredo.

As composições sairão da plataforma 2 da Central do Brasil em viagens diretas, a cada 20 minutos. Para ter acesso aos trens do evento, basta trocar 1 kg de alimento não-perecível por um bilhete. O alimento deve ser entregue em um posto de troca localizado no Corredor Cultural da estação Central do Brasil.

Saiba mais sobre sexta-feira
Saiba mais sobre sábado

Desenrolando a Serpentina

No dia 3 de dezembro, o “Desenrolando a Serpentina” vai oferecer oficinas gratuitas e debater o futuro e as demandas da cultura e do carnaval de rua do Rio de Janeiro. Além disso, às 15h, o Gigantes da Lira faz um show acrobático. Às 16h, rola o show com o grupo Aqualoucos Gigantes. Às 19h, é a vez do Bloco Virtual fazer cortejo. Às 20h, o Sururu na Roda sobe no palco e encerra a festa.

Saiba mais

Feira das Yabás

Encontro de samba e de culinária típica do subúrbio carioca, a Feira das Yabás reúne barracas de 16 tias de Madureira que preparam deliciosas receitas da gastronomia afro-brasileira. Idealizada pelo cantor e compositor Marquinhos de Oswaldo Cruz, o evento é, desde 2009, realizado na Praça Paulo da Portela, em Oswaldo Cruz. Arlindo Cruz quem vai encerrar as comemorações pelo dia do gênero musical carioca.

Saiba mais


Pra quem quer algo mais leve, as comemorações do samba mostram mais opções:

100 anos do samba

A exposição “100 Anos do Samba” está em cartaz no Museu do Samba, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h. A entrada é gratuita com o Passaporte Cultural Rio. Sem o passaporte, a entrada custa R$ 10,00 para estrangeiros e R$ 5,00 para brasileiros. O Museu do Samba fica na Rua Visconde de Niterói, 1296, em Mangueira, na região do entorno do Maracanã, Zona Norte da cidade.

Saiba mais

Ai, ai, ai… Cem anos o samba faz!

A mostra virtual, destinada, principalmente, aos amantes do gênero puramente brasileiro, conta com mais de 40 itens, dentre os quais se encontram a partitura original de “Pelo Telephone” (o primeiro samba) e as canções algumas canções como ‘Ai que saudade da Amélia’ (Mario Lago e Ataulfo Alves e ‘A flor e o espinho’ (Nelson Cavaquinho).

Biblioteca Nacional: Av. Rio Branco 219, Centro —
Seg a sex, das 9h às 19h. Sáb, das 10h30 às 15h. Grátis. Livre.

Saiba mais


O calor está ai dando cascudo no coco e o pessoal enche as praias do Rio. Uma boa alternativa é explorar as cachoeiras da cidade, porque existem dezenas de opções e nós vamos listar algumas delas.

Cachoeira das Almas
A trilha da Cachoeira das Almas é bem fácil e pode ser feitas por crianças a partir de 7 anos. São apenas 10 minutos partindo do restaurante A Floresta na Estrada dos Picos e você pode ir até ele de carro. Localizada no Alto da Boa Vista, a região possui diversos rios, formações rochosas e outros atrativos. Para chegar ao local, existem quatro trilhas: Caminho do Leopoldo, Trilha do Mesquita, Caminho das Almas e Trilha da Lagartixa.

Cachoeira dos Primatas
Além da Cachoeira das Almas, o Parque Nacional da Tijuca também abriga a Cachoeira dos Primatas, localizada no Setor Serra da Carioca do parque. A cascata pode ser acessada pela rua Sara Vilela, no bairro do Jardim Botânico. Para chegar até a queda d’água, é preciso fazer uma leve trilha, relativamente fácil e plana, que percorre uma área bastante exuberante da mata.

Cascatinha Taunay
Essa é a maior cachoeira da Floresta Nacional da Tijuca, com 35m de altura. Seu nome é uma homenagem ao pintor francês Antoine Taunay, que construiu uma residência ao lado da cachoeira, que hoje abriga o restaurante Cascatinha. O artista foi o responsável pela divulgação do local, realizando reuniões para a Corte em sua residência. A área da cachoeira possui banheiro, lojinha e estacionamento. Por lei é proibido entrar nas águas da cachoeira. Outra cachoeira do parque que merece visitação é a cachoeira do Horto, que tem uma queda de 20 metros com pequenas piscinas naturais.

Cachoeira do Chuveiro 
A cachoeira foi batizada com esse nome pois lembra mesmo um grande chuveiro: a queda d’água está dentro da fenda de uma rocha. Fica localizada Jardim Botânico, subindo pela rua Pacheco Leão, entre à direita, na Estrada Dona Castorina. Caminhe por 20 minutos ou, se estiver de carro, dirija de três a cinco e, pronto, você estará na trilha que dá acesso à Cachoeira do Chuveiro.

Cachoeira do Medanha
Localizado em Campo Grande, a cachoeira fica próxima à Avenida Brasil e situa-se na Área de Proteção Ambiental (APA) do Gericinó-Mendanha, dentro do Parque Municipal do Mendanha. No local, encontram-se três quedas d’água, onde é possível praticar o Cascading (descida de uma cachoeira através de corda, utilizando a técnica do rapel).

Cachoeira do Camorim
O Açude do Camorim fica situado no Parque da Pedra Branca, bem pertinho do Rio Centro. É um grande lago com área de 210.000 m³ e profundidade de 18 metros, e está a 435 metros acima do nível do mar. Foi planejado por Sampaio Corrêa e construído por Henrique de Novaes em 1908, portanto não é natural. A famosa Cachoeira do Camorim, que é encontrada depois de uma hora de caminhada na trilha para o açude, é simplesmente fantástica. Da queda das águas do rio Camorim, que desce pela Serra do Nogueira, resulta a cachoeira e, aos seus pés, formam-se pequenas piscinas naturais.


Os descontos de Black-friday da Coé estão tão obscenos esse ano que censuramos os valores antigo.

Até o dia 27, toda a loja com 50% de desconto. Isso mesmo, tudo pela METADE do preço.

Detalhe: frete grátis para compras acima de 100 reais. Pegamos pesado, né?


post1

Que o carioca fala diferente, todo mundo sabe, mas o que não sabem muito bem é o sentido das nossas gírias. Por isso, decidimos facilitar a sua vida ‘mermo’ criando um Mini-Guia das Gírias Cariocas. Então, se liga:

– Coé: serve para cumprimentar, indagar, questionar, provocar, exclamar, pedir e, até mesmo, vestir.
– Tá ligado?!: usado para questionar, confirmar algo, mas jamais para dizer o contrário de desligado.
– Irmão: aqui no Rio todo mundo é irmão, brother, parceiro, lek, até que se prove o contrário.
– Já é: usado para confirmar, independentemente, se já foi ou ainda vai ser.
– Parada: usado para tudo. Tudo mesmo.
– Bolado: quando você tá chateado, incomodado ou preocupado, mas não quer dizer exatamente o que é.
– Ralar: quando você vai sair para algum lugar ou quer que alguém vá embora. Seja carinhosamente ou não.
– Caô: Ah, pára de caô que tu não sabe o que é? Tu tá de caôzinho mesmo!